TRF-3 assegura nacionalidade provisória a criança nascida no Paraguai

A Sexta Turma do Tribunal Regional Federal da Terceira Região – TRF-3 confirmou sentença que garantiu nacionalidade provisória a uma criança paraguaia, filha de pai brasileiro.

 

Para o colegiado, os requisitos necessários para a concessão do registro foram preenchidos. Documentos confirmaram que a menina é natural do município de Concepción, no Paraguai, mas vive com a avó, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

 

A criança nasceu em 2014 e passou a residir no Brasil em 2020, quando o Judiciário brasileiro foi acionado para requerimento da nacionalidade local para que ela pudesse ter acesso à saúde e à educação.

 

Após a Quarta Vara Federal de Campo Grande autorizar o registro provisório, a União recorreu ao TRF-3 pela reforma da sentença.

 

Ao analisar o caso, o desembargador federal Valdeci dos Santos, relator do processo, explicou que a Constituição Federal prevê a opção de nacionalidade aos estrangeiros residentes no país, que sejam filhos de pai ou mãe brasileiros e tenham alcançado a maioridade.

 

No entanto, o magistrado ponderou que é possível o registro provisório de que trata o artigo 32, § 2º, da Lei 6.015/1973 e entendimento do Supremo Tribunal Federal – STF. 

 

“Comprovada a existência de jus sanguinis e a residência no Brasil, a autora faz jus ao pretendido registro provisório, conforme já decidiu o STF”, fundamentou o magistrado.

 

Assim, o TRF-3 negou provimento ao recurso da União e garantiu a nacionalidade provisória à criança.

Fonte: IBDFAM

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

imagem_materia (5)

Aprovada Frente Parlamentar do Serviço Notarial e Registral

senado-aprova-reforma-previdencia

Governo desiste de urgência em projeto de lei das falências no Senado

financiamento-imobiliario-casa-propria-economia-imovel-1500055994112_v2_1920x1280

Você conhece o Fórum de Desenvolvimento Imobiliário?

Rolar para cima
Pular para o conteúdo