Quem fica com a herança de Aracy Balabanian? Entenda como acontece divisão de bens

Seguindo as regras de sucessão, patrimônio da atriz deve ser dividido entre irmãos, sobrinhos, tios e primos, como preveem normas jurídicas

Aracy Balabanian não queria ser lembrada como uma mulher que não casou e não teve filhos. “Isso é uma falha de caráter? Isso é uma falha? O que é isso?”, questionou, em entrevista realizada em 2022. A artista — que morreu, aos 83 anos, na última segunda-feira (7) — dizia que havia construído, ao seu jeito, a própria família. Não à toa, estava sempre rodeada pelos sobrinhos e era chamada como “dinda” por uma turma composta por gente de várias idades.

Familiares da atriz, intérprete de personagens memoráveis na televisão brasileira, não revelaram se ela deixou um testamento. Seguindo as regras de sucessão, a herança de Aracy Balabanian deve ser dividida entre irmãos, sobrinhos, tios e primos, como preveem as normas jurídicas brasileiras.

“Eu não casei, eu não tive filhos e vivi intensamente” afirmou Aracy, em entrevista ao jornalista Pedro Bial, em 2022. “Tem um monte de crianças na minha vida. Quando eu disse que não podia, ou não queria me casar, é porque eu não tinha condições de conciliar a minha vida de atriz já que eu tive tantas dificuldades antes. Eu não tive tempo, mas amei e fui amada. Eu vivi intensamente”, ressaltou ela.

Intérprete da mãe super protetora Dona Armênia, nas novelas “Rainha da Sucata” (1990) e “Deus nos Acuda” (1993), e da divertida socialite Cassandra, no humorístico “Sai de baixo” — apenas para citar alguns de seus papéis mais marcantes —, Aracy Balabanian tinha como programa favorito de sua carreira o infantil “Vila Sésamo”. No programa exibido na década de 1970, ela dava vida a uma figura doce que ajudava crianças carentes com ensinamentos e dicas.

— Fui a Xuxa de muita gente — brincou Aracy, em entrevista ao GLOBO em 1998. — Acho que não é tão estafante fazer programa infantil hoje. Na minha época, eles eram acompanhados por pedagogos e as crianças ainda tinham a oportunidade de conhecer, na televisão, obras como “O sítio do pica-pau amarelo”, de Monteiro Lobato.

Na mesma entrevista, ela falou sobre o fato de não ser mãe:

— Quando cheguei a uma idade em que me senti preparada para ser mãe, não encontrei ninguém que pudesse ser um bom pai para o meu filho — disse a atriz, que chegou a fazer um aborto às vésperas de completar 40 anos. — Infelizmente, o pai seria um tormento na minha e na vida do meu filho.

Fonte: Extra

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1-22

Migalhas – Responsabilidade solidária dos tabeliães, escrivães e demais serventuários de ofício – Por Kiyoshi Harada

https__img.migalhas.com.br__SL__gf_base__SL__empresas__SL__MIGA__SL__imagens__SL__2023__SL__11__SL__17__SL__cropped_n5zzcsin.ysb.jpg._PROC_CP75CCH31622400

Escrow account: Marco das garantias possibilita conta intermediada por tabelião

Imagem-1-300x200

TJMS anula venda do imóvel pertencente a um casal sem autorização da mulher

Rolar para cima
Pular para o conteúdo